A Comunicação Integrada

O serviço Youtube lançou um sistema chamado Hot Spot, uma nova ferramenta que permite saber quantas pessoas assistiram a um vídeo de determinada conta, para ajudar na comparação da popularidade entre canais e informar o sexo e país de procedência dos visitantes. O site até permite conhecer o número de visitas aos vídeos, mas de maneira mais simples. Com a novidade, pode-se também saber os momentos do vídeo que são mais vistos e quando as pessoas abandonam a peça, por meio de um gráfico que exibe pontos quentes e frios (de audiência).

Para acessar a ferramenta, o usuário deve logar-se, ir a Meus Vídeos e acessar o link de Insight.

Com isso, cada usuário poderá editar e conhecer os trechos de conteúdos mais admirados pelos outros usuários. Além disso, o Hot Spot representa as reproduções dos vídeos de acordo com a reprodução em cada região geográfica e a preferência em cada uma delas.

Ou seja, agora também a internet possibilita medir a audiência em seus canais, e conhecer melhor seu público-alvo, seus usuários mais frequentes e talvez os temas de maior sucesso. Mais um fator que não diferencia mais a TV da web!

Através de uma notícia relatada pelo Estadão, irei falar sobre um assunto que não pode faltar quando se trata de hipermídia e internet, que é o rastreamento de imagens e comentários sobre as empresas e suas marcas que circulam na web.

A partir das novas tecnologias e dos diversos programas, sites e entretenimentos que surgem com elas, a internet se torna um meio livre pelo qual posso me expressar como quiser e também comentar sobre tudo, qualquer produto ou marca, afinal, vivemos na era da Indústria Cultural e comunicação massificada. Por consequência disso, nada mais natural que acabem surgindo por aí comentários negativos sobre certas empresas, desde um filme que eu rotulo “ruim” até um novo produto lançado no mercado. Lembrando que podem surgir tanto comentários a favor quanto contra daquele tal serviço, o que pode favorecer ou prejudicar a imagem da marca. Se o comentário for bom, atrairá pessoas, se for ruim, tem que ser visto como uma oportunidade de melhoria para a empresa. Por isso, é preciso que estas estejam realmente atentas ao que circula na internet.

Surgem então empresas especializadas para efetuar este rastreamento, como a BG por exemplo, especializada em mídia online, que criou um departamento para fazer o monitoramento online da imagem de seus clientes. A agência de comunicação e relações públicas, Imagem Corporativa, de São Paulo, também passou a oferecer o serviço de monitoramento da imagem das empresas embora ainda exista resistência por parte das empresas. Serviços como orkut, blogs, hotsites e Twitter também são investigados por uma equipe de jovens profissionais, de 18 a 24 anos.

É preciso cuidar da imagem da sua empresa ou marca, assim como cuidamos de nós mesmos, de nossa aparência, afinal, é o que vale neste mundo interativo e globalizado.

Já pensando no futuro, o pacote da temporada de futebol 2009 da Rede Globo, que é um dos espaços mais requisitados já está fechado. A emissora divulgou nessa terça-feira, 14, os nomes dos anunciantes que patrocinarão todos os campeonatos televisionados pela rede em 2009. São elas: Vivo, Casas Bahia, Itaú, Volkswagen e Ambev, as mesmas que comercializaram as cotas de futebol com a Globo agora em 2008. Cada cota foi negociada pelo valor de R$ 121 milhões, totalizando um montante de R$ 605 milhões para a emissora.

“Não só a confiança no País, mas também no futebol e em especial na Globo demonstram que o projeto é vitorioso”, comemora Willy Haas, diretor nacional de comercialização da Globo.

Na semana passada, a Record veiculou uma reportagem, no programa Domingo Espetacular, mostrando a má situação financeira dos times e apontando a queda de audiência dos jogos nas TV abertas, resultado considerado como reflexo da “decadência” do esporte no Brasil. A matéria citava a Globo e fazia uma comparação entre os índices do Ibope e os valores das cotas de patrocínio das transmissões das partidas.

Para comemorar a renovação, a Globo publicou um anúncio, nos principais jornais do país agradecendo aos parceiros pela confiança depositada em sua programação. A peça, assinada pela W/Brasil, traz uma menção à atual crise financeira, com as frases “A bolsa cai e o dólar sobre. O dólar cai e a bolsa sobe. Só uma coisa continua como sempre: a confiança na Globo”, destacando que nem as turbulências do mercado abalam a credibilidade da emissora.

                           Apesar do avanço das novas mídias, a TV mantém-se como meio que atrai a maior parte dos investimentos. A TV aberta cresceu 2 dígitos e continua sendo a principal mídia nacional, obtendo 58% das verbas aplicadas em compra de espaço publicitário. Segundo o projeto Inter-Meios, o faturamento das emissoras de TV subiu 14% nos primeiros 6 meses deste ano, atingindo um valor de R$5,6 bilhões.

Isto mostra que, mesmo o Brasil sendo o país que mais fica na frente do computador comparado a outros países, e com o crescimento de novas tecnologias e serviços, a TV continua sendo campeã e continua fazendo a publicidade e a informação chegarem até a massa.

Mais uma vez irei comentar sobre um assunto que sobrevoa não só a cabeça dos profissionais de mercado como também quase todas as minhas aulas de “Novas Tecnologias”: O mundo virtual. Sabemos que diante deste novo conceito e mundo, cada um cria sua imagem dentro do tal e por aí vai criando vínculos e histórias com outros internautas e outros serviços que a internet oferece. E isso faz com que a internet se torne um grande “shopping”, lá voce vende e compra desde valores até produtos materiais mesmo. Voce constrói uma relação, uma relação virtual, mas que para todos é tão real, que grande parte da nossa vida fora acontece lá, através da tela, como checar sua conta no banco, comprar pelo Mercado Livre, ter uma lista de contatos, etc.  E como consequencia disto, os mercados estão ficando mais espertos, até que a maioria das empresas. Porque afinal, não dá tempo, quando voce menos espera já existe algo novo rolando na internet.

E por isso mesmo, cada vez mais as empresas devem buscar formas de entender melhor o seu consumidor, que agora é este, que fica horas em frente ao computador, e tentar atingí-lo em seus pontos de interesse, no msn, no orkut, e não apenas se deixar levar por estes sistemas virtuais até caírem no esquecimento. Por exemplo, a comunicação integrada, que visa através de um banco de dados estar cada vez mais perto dos hábitos e atitudes de seu consumidor para melhor atende-lo. Sendo assim, que seja através de blogs e outros serviços que tanto possibilitam a livre expressão de idéias e gostos, que este novo jeito de vender esteja presente, valorizando o meio do consumidor e a forma como ele está acostumado a se comunicar hoje em dia.

A relação entre esta nova participação do “novo” consumidor e as empresas está presente em dois livros interessantes: “Blog, de Hugh Hewitt” e “The Cluetrain”.

Nesta sexta-feira, tenho como tarefa de aula explicar o que significam os termos RSS e Feed. Bom, primeiro RSS é a sigla em inglês para Rich Site Summary ou Really Simple Syndication, ou seja, mais uma nova tecnologia que permite a interatividade; é uma forma simplificada de apresentar o conteúdo de um site. Um documento RSS é feito na linguagem XML e geralmente exibe grande volume de informações existente em uma página na internet de forma resumida. Os documentos RSS tem a característica de se alimentar de notícias, e por isso também são chamados de Feeds. O Feed é um recurso que permite agregar o conteúdo de diferentes portais de notícias em um mesmo local, facilitando assim a sua leitura. Cada portal de notícias ou blog oferece o link do seu RSS, que deve ser cadastrado em programas próprios de leitura, como o outlook e sites como o Google Reader e BlogLines.

E aí, temos então mais um recurso virtual que a internet disponibiliza, facilitando mais uma vez a vida do internauta atualizado, ou melhor, leitor imersivo, como já definira Lúcia Santaella, que está sempre na onda da interatividade e cultura digital. O RSS é útil pois você pode acompanhar seus sites de interesse e notícias em tempo real, centralizando tudo em um lugar: seu leitor RSS. Você fica sabendo na hora quando uma informação do seu interesse é publicada, sem que você tenha que navegar até o site. A simplicidade e a standartização desta tecnologia é compatível com diversas plataformas, (leitores de software, websites, blogs, mac, pc, telefone, PDA, etc). Mas, uma pequena desvantagem é que ele não mostra exatamente todas as notícias, só aparecem na página as principais notícias daquele momento, e talvez acabe sendo uma coisa meio mastigada e resumida.

Os Feeds, também podem ser integrados a serviços como o NetVibes e o iGoogle, a página personalizada do google, onde você adiciona notícias, fotos, previsão do tempo, pois permite que você realize isto em uma só página, em tempo real.

Música. Todo mundo ouve, todo mundo gosta, cada um tem seu estilo. E claro, é um assunto que interessa a todos. Sendo assim, gostaria de falar um pouco sobre uma nova rede social chamada Blip Fm. Seria um site que permite publicações de músicas através de notas rápidas e tem como objetivo fazer a seguinte pergunta: “O que você está ouvindo agora?” O Blip Fm segue uma linha parecida com a do Twitter, pois você cria seu perfil, escolhe as músicas que gosta e elas vão sendo adicionadas em uma lista, e você vai adicionando seus amigos e ouvindo as músicas que eles vão postando, fazendo com que mais uma vez ocorra aí um exemplo total de interatividade, e ainda torna-se um negócio divertido, você vai adquirindo mais repertório musical, vai ouvindo o que está tocando por aí e ainda pode relembrar músicas que marcaram momentos com seus amigos, e ainda permite que você guarde as melhores músicas que seus amigos tocaram numa playlist para ouvir depois, quando quiser.

A rede acaba sendo interessante pois sites de relacionamentos agora já existem muitos, até são repetitivos, como o Orkut, Facebook, My space; e o Blip Fm, por sua vez, é um site de relacionamentos mais avançado, com música, o que proporciona sem dúvida uma grande integração entre os participantes. Você cria o seu cadastro e se transforma em um DJ digital.

Por fim, a publicidade teria boa participação no Blip Fm, assim como em qualquer rede virtual, pois permitiria que os participantes e clientes interagissem em tempo real, podendo quem sabe escolher jingles, ou algo que servisse para uma peça, ou até mesmo permitiria que se fosse do interesse do cliente, ele tivesse uma idéia de como fazer uma rádio própria.

E, se alguém se interessar melhor em conhecer o Blip Fm, pode acessar o site www.blip.fm, ou dar uma checada em um blog muito bacana que comenta o assunto: http://gattune.blog.br/blipfm-o-que-voce-esta-ouvindo/.